Confira 6 técnicas de conciliação entre os condôminos

Tempo de leitura: 4 minutos

Conciliação entre condôminos, entre as inúmeras tarefas de um síndico na gestão do condomínio, talvez a mais delicada e a que exige maior diplomacia é a administração de conflitos entre os moradores.

Quando há interesses pessoais envolvidos, o síndico precisa ter muito jogo de cintura para não se indispor contra uma ou outra parte, preservando a boa convivência na comunidade que administra.

A conciliação entre condôminos pode não ser tão simples, mas algumas técnicas podem ser adotadas para facilitar a tarefa do síndico. As melhores maneiras de resolver isto são:

1. Mantenha as regras claras e transparentes

A convenção de condomínio e o regulamento interno devem ser do conhecimento de todos. Faça cópias de ambos os documentos e cuide para que cada apartamento receba, leia e compreenda cada item.

Se perceber que uma ou outra regra muito rígida está gerando insatisfação ou conflitos, coloque o assunto em pauta na próxima reunião de condomínio e proponha alterações em nome da boa convivência.

2. Previna conflitos com antecedência

Faça do zelador seu aliado na tarefa de identificar áreas de potencial conflito. Na maioria das vezes é com o zelador que os moradores comentam sobre suas insatisfações.

Alguém estaciona mal e dificulta a manobra do vizinho? Um condômino não economiza água, o que provoca a indignação dos outros? A moradora do andar de cima chega tarde da balada e anda pela casa de salto alto? Se o síndico se antecipar e tiver uma conversa discreta e amigável com cada um deles poderá evitar conflitos desnecessários.

3. Escute ambas as partes sem tomar partido

O papel do síndico não é o de juiz, mas o de intermediador. Para uma efetiva conciliação entre condôminos, ouça as duas partes igualmente e tente permanecer neutro. Não tome partido, pois isso poderá gerar inimizades. É importante que você, como síndico, mantenha um relacionamento amigável com todos os moradores.

Seja paciente, converse com calma e proponha soluções que possam levar a um acordo entre os descontentes.

4. Seja discreto nos comentários

Não comente com terceiros os eventuais conflitos entre moradores, nem permita que a equipe que trabalha no prédio comente. Se há divergências entre alguns condôminos, fofocas partindo do síndico ou do zelador só vão piorar a situação e atrair mais antipatias para um lado ou outro.

Seu papel de síndico é promover um ambiente saudável no condomínio e trabalhar em nome de uma boa convivência. Citar um eventual caso como exemplo para evitar novos conflitos é válido, mas jamais revelando nomes.

5. Incentive a participação de todos

A condução das reuniões de condomínio não é fácil, especialmente em prédios muito grandes, mas é importante que o síndico abra espaço para que todos participem. O lugar certo para resolver conflitos é nas reuniões, onde todos podem e devem opinar.

Para incentivar a presença da maioria dos condôminos, uma boa ideia é organizar um lanche após a reunião, promovendo um espaço de confraternização entre os moradores. Assim, o clima fica mais ameno e favorece o diálogo.

6. Procure mediação profissional

Se as coisas ficarem mais sérias e ultrapassarem a esfera administrativa, tornando muito difícil a conciliação entre condôminos, considere pedir a interferência de um profissional.

Muitas vezes a própria administradora contratada pelo condomínio oferece serviços de mediação como assessoria jurídica ao síndico.

Também existem escritórios de advocacia especializados em intermediação de conflitos que podem ser de grande ajuda em casos mais complicados.

A conciliação entre os condôminos é uma tarefa que exige do síndico muita paciência, disposição para ouvir com imparcialidade e jogo de cintura para evitar problemas mais sérios. Esperamos que a leitura de nosso artigo tenha sido útil para o desempenho de sua função.

Quer acrescentar sua opinião sobre o assunto? Deixe seus comentários no post, eles serão muito úteis para outros leitores!

Ou clique aqui e deixe seu e-mail para receber mais conteúdos relevantes de condomínios.