Dicas de gestão de funcionários para condomínio

Tempo de leitura: 3 minutos

A gestão de funcionários para condomínio exige atenção a regras trabalhistas e administrativas, assim como acontece dentro de uma empresa.

Afinal, dependendo do porte do prédio, muitas demandas surgirão e a urgência em encontrar soluções será parecida com a de uma organização empresarial.

No que se refere a gerir funcionários, é preciso ter em mente que a lida diária com esses profissionais deve estar pautada em transparência e respeito, tanto às regras trabalhistas quanto à convenção do condomínio.

Quando as diretrizes que guiam esse tipo de relação profissional estão claras, o trabalho se torna bem mais fácil de monitorar.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira!

Delimitar funções

Um erro comum em condomínios é contratar um profissional para exercer determinada função e, no cotidiano de trabalho, encaminhá-lo para tarefas extras.

O erro trabalhista, nesse caso, está no fato de não pagar o acúmulo de função ao funcionário pelas horas gastas em atividades fora da atuação principal.

Se o contrato de trabalho prevê que determinadas funções sejam exercidas, a gestão do condomínio deve tentar ao máximo respeitar essas delimitações, evitando processos trabalhistas no futuro.

O respeito ao exercício de cada atividade por quem foi contratado ajuda a manter uma ordem interna muito positiva para o condomínio.

Calcular horas extras

O cálculo de horas extras costuma gerar problemas para o síndico, pois, muitas vezes, essas horas são cumpridas de forma desordenada, sem a devida anotação nos cadernos de atas do condomínio.

Buscar uma relação formal com essa questão é essencial para manter a gestão condominial em dia e reduzir custos.

As horas extras devem constar no cartão de ponto para que o pagamento seja efetuado corretamente na folha.

De qualquer forma, recorrer a esse artifício representa um gasto a mais para o condomínio e deve ser evitado.

O ideal é banir esse tipo de gasto, buscando adequar o quadro de horários do condomínio ao tempo disponível e evitando que as horas extras sejam rotina.

Esse cuidado evita, também, que o profissional contratado entenda essa remuneração extra ocasional como um pagamento constante.

Considerar a terceirização

Em alguns casos, a terceirização de mão de obra é indicada para trazer maior eficiência ao cotidiano do condomínio.

Na hora de escolher uma empresa especializada em serviços condominiais, é importante estar atento às condições que tornam essa firma justa e segura.

Um empresa que oferece preços baixos fora da realidade de mercado para seus clientes pode parecer uma boa ideia em um primeiro momento.

Entretanto, essa diferença de preço normalmente reflete profissionais mal pagos e, consequentemente, desmotivados para exercer as atividades no trabalho.

O mais recomendado é que se faça uma pesquisa prévia de mercado para atestar a seriedade da empresa, seus antecedentes e seu posicionamento frente à concorrência.

Essa dica é importante para evitar problemas futuros no trato com os terceirizados.

Entre as vantagens de optar pela terceirização estão a cobertura de faltas por substitutos indicados pela empresa terceirizada e o treinamento, que normalmente é concedido aos que ingressam no ramo antes de serem alocados para qualquer condomínio empresarial ou domiciliar.

Cultivar boas relações profissionais

Um ponto relevante é o cultivo de uma relação entre condôminos, síndicos e profissionais terceirizados ou não que esteja pautada na resolução de conflitos via diálogo, com atenção redobrada para queixas que possam vir de qualquer uma das partes.

Assim, um ambiente de trabalho mais democrático e saudável se constrói na gestão de funcionários para condomínio.

Gostou do conteúdo?

Quer saber mais sobre esse e outros assuntos?

Então siga a gente no Facebook e leia tudo em primeira mão!